(Não)Monogamia: Construções Sociais, Patriarcado, e Capitalismo

A escolha entre monogamia e não monogamia, longe de ser puramente pessoal, está intrinsecamente ligada às forças sociais, incluindo as estruturas patriarcais e capitalistas que moldaram o nosso mundo durante séculos. É essencial examinar estes modelos de relacionamento através de uma lente crítica para compreender quão profundamente enraizados estão nas normas sociais e como podem perpetuar ou desafiar as dinâmicas de poder estabelecidas.

Monogamia: O Paradigma Patriarcal

A monogamia tem sido historicamente defendida como o ideal social, espelhando os fundamentos patriarcais da nossa cultura. As relações monogâmicas tradicionais envolvem frequentemente o homem como o principal sustento da família e a mulher como a cuidadora, refletindo papéis de gênero profundamente enraizados. Esta estrutura perpetua a narrativa de dominação masculina, onde os direitos e a autonomia das mulheres são suprimidos em favor das expectativas sociais de fidelidade e exclusividade.

A estudiosa literária Laura Kipnis, em seu livro “Against Love: A Polemic”, argumenta que a monogamia muitas vezes funcionou para restringir as mulheres, inibindo sua liberdade e reforçando a dependência dos homens. A ideia de que uma mulher deve encontrar o seu valor principalmente através de um homem e permanecer fiel a ele perpetua o patriarcado.

Não Monogamia: Um Desafio ao Patriarcado

As relações não monogâmicas, por outro lado, desafiam os papéis tradicionais de gênero e a construção patriarcal, ao abraçarem a liberdade de escolha e consentimento. Autores como Bell Hooks, em seu livro “All About Love: New Visions”, defendem o potencial transformador do amor e dos relacionamentos fora dos limites da monogamia. A não monogamia pode oferecer um caminho para libertar os indivíduos das cadeias das normas tradicionais de gênero, permitindo diversas dinâmicas de relacionamento.

No contexto do capitalismo, a não-monogamia pode ser vista como uma forma de resistência contra um sistema que prospera na propriedade e no controle. O capitalismo mercantiliza as relações, tratando-as como transações. A não-monogamia, com a sua ênfase na autonomia e no consentimento, desafia esta abordagem capitalista ao promover relações baseadas em ligações genuínas e no respeito mútuo, em vez da possessividade.

O meio-termo: anarquia de relacionamento

A anarquia relacional, um modelo que rejeita normas hierárquicas e prescritivas, é inerentemente subversiva tanto para o patriarcado como para o capitalismo. O conceito postula que as relações devem ser construídas sobre os princípios do consentimento, da igualdade e do crescimento pessoal, desafiando a natureza possessiva da monogamia e a natureza transacional das trocas capitalistas. Em “The Ethical Slut”, os autores Dossie Easton e Janet W. Hardy enfatizam a importância de cultivar relacionamentos baseados no consentimento, no cuidado e na liberdade de escolha.

O debate entre monogamia e não monogamia vai além da preferência pessoal; é um reflexo das construções sociais que moldam as nossas percepções dos relacionamentos. Ao compreender as influências patriarcais e capitalistas nestes modelos, podemos lutar por uma sociedade onde os indivíduos sejam capacitados para escolher dinâmicas de relacionamento que se alinhem com os seus valores e promovam a igualdade e a liberdade de escolha. Romper com normas opressivas e promover um ambiente de consentimento e respeito é vital para uma sociedade verdadeiramente progressista e equitativa.

Mais posts