Morar fora e fazer terapia: conheça a Wilu

Atualmente muitos brasileiros moram em outros países, e é raro alguém se mudar para um novo país e não encontrar um grupo de brasileiros que já havia se estabelecido ali antes, e então se tornar parte desse grupo de “brasileiros fora do Brasil em determinado lugar do mundo”.

É natural que pessoas com o mesmo idioma nativo e cultura se aproximem com mais facilidade uns dos outros, pois compartilham emoções e expressões que são carregados dessa cultura específica. Isso nos torna mais reconhecíveis e simplifica o convívio.

É ótimo falar e aprender outros idiomas, especialmente morando em um lugar em que o idioma é diferente. Falar a língua local abre portas, relacionamentos, e nos ajuda a fazer parte do dia a dia e do convívio do lugar que escolhemos chamar de lar.

Entretanto, quando se trata de psicoterapia, é importante considerar qual a melhor opção para buscar. Terapia na sua língua nativa, ou na sua língua secundária.

Por mais que outro idioma seja a língua do seu dia a dia, se você cresceu no Brasil, sempre será o idioma aprendido depois do portugues, e aprender um novo idioma significa traduzir o idioma nativo para aprender o secundário. Portanto, a base é o primeiro idioma. Para tudo.

A linguagem é como traduzimos as nossas experiências emocionais, e na infância, essas memórias emocionais estão entrelaçadas na língua nativa. Na fase adulta, não é muito diferente disso. Como as pessoas realmente se sentem está codificado no idioma nativo, e isso pode fazer diferença ao buscar terapia em outro idioma, porque demonstrar a sua personalidade e se expressar verdadeiramente pode ser desafiador em outra língua.

Pesquisas mostram que a psicoterapia em sua própria língua nativa é duas vezes mais eficaz em comparação com sua língua secundária. Entender suas ideias e interpretá-las vem mais naturalmente para você e para o terapeuta, porque sua expressão acontece de forma mais espontânea e fluida na língua nativa. As pesquisas também mostram que temos a tendência de nos distanciarmos emocionalmente quando fazemos uma auto análise no idioma secundário. Isso está conectado ao fato de modificarmos nossas experiências emocionais no idioma nativo. Isso significa que temos mais facilidade de expressar e acessar as nossas emoções no idioma nativo. Portanto, a língua nativa nos permite desenvolver o processo psicoterapêutico mais profundamente e otimizar o processo de cura.

Com a Wilu, é possível fazer terapia com brasileiros, em português, de qualquer lugar do mundo. Encontre na Wilu o seu momento de paz, de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Tudo com gente que te entende.

Vem pra Wilu!

@wilu.app nas redes sociais

Por: Beatriz Grau

Mais posts